“Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas encorajemo-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia” Hebreus 10:25

Desde o princípio Deus viu que não era bom que o homem estivesse só (Gn 2:18). Com a entrada do pecado, esta proposta também foi atacada: os conflitos nunca mais deixaram de surgir. Mas nem tudo se perdeu definitivamente. Uma das missões do Messias seria a conversão dos relacionamentos.

Quem não conhece Cristo não pode entender o valor da comunhão dos santos. Pode até ser beneficiado por ela, até mesmo participar superficialmente desta comunhão, mas não a valorizará como algo prioritário para sua vida. E isso porque a comunhão dos santos só é possível em sua plenitude em torno de Cristo: seu nome, sua pessoa, seu evangelho, seus ensinamentos e mandamentos.

Há um risco muito grande no qual incorrem milhares de cristãos: deixar de congregar. Eles pensam que podem fazer o seu “próprio culto” na comodidade do seu lar. Entretanto, esta não é a realidade apresentada pelas Sagradas Letras. Este conceito de que posso ser um bom crente sozinho não conta com o respaldo das Escrituras. Nenhum crente é bom sozinho, pois o Senhor Deus nos criou, chamou e salvou para andarmos juntos com outros discípulos

Tais cristãos se olvidam da seguinte verdade: Deus não “pensou” em mim apenas como um indivíduo. Ele “pensou” em mim como um indivíduo inserido em uma comunidade. A Bíblia ensina que todos aqueles que já foram alcançados por Jesus são inseridos no Corpo de Cristo: a Igreja. Portanto, não congregar, insistir em ser crente à revelia de Cristo, é perigoso porque esta não é a proposta de Deus. Sendo assim, a opção pela “periferia” constitui-se num ato de rebeldia.

Aos que prezam apenas pela comunhão com Deus, menosprezando a comunhão com os demais, citamos as palavras de Klauss Douglas: “Da comunhão com Deus deve nascer a intimidade entre nós”. Portanto, comunhão vertical sem conectividade horizontal é uma comunhão deficiente (e o oposto também é verdadeiro).

Deus nos presenteia com a comunhão com o fim de desenvolvermos um discipulado abençoador, transformador e multiplicador. Usar este presente de forma correta e adequada agrada ao Criador.

Artigos Relacionados

Cada Crente um Sacerdote
Cada Crente um Sacerdote “Mas vocês serão chamados sacerdotes do...
Cada um com seu fardo
Cada um com seu fardo “Porque cada um levará o seu próprio fardo.”...